Batalha de Kursk através dos olhos de quem presenciou a destruição

Há 70 anos, cidade na região de Prokhorovka foi palco da maior batalha de tanques da história mundial. Paira o silêncio sobre o campo de Prokhorovka. Somente de tempos em tempos ouve-se o repicar dos sinos, chamando os paroquianos para o serviço religioso na Igreja dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, construída com recursos doados pelo povo, em memória dos soldados que morreram na Batalha de Kursk. Há 70 anos, nesse local fervia um terrível combate. Na região de Prokhorovka se desenrolou a maior batalha de tanques da história mundial. Tudo o que poderia se inflamar estava queimando, tudo estava coberto de poeira e fumaça dos tanques, aldeias, florestas e campos de trigo que ardiam em chamas. A terra foi queimada a tal ponto que não restou um único fiapo de grama. Aqui a guarda soviética se encontrou frente a frente com a elite da Wehrmacht, as divisões de tanques da SS.

O show não pode parar

Veteranos do teatro relembram que Bolshoi não parou de funcionar nem mesmo durante a Segunda Guerra Mundial. Outubro de 1941 em Moscou. Os boatos de que as tropas nazistas já estariam em Khímki, nos arredores de Moscou, tomou conta da cidade e provocou uma fuga em massa para o interior do país. Um grupo de oito jovens cavava um fosso sob o hotel Nacional. Todos eles eram alunos do Instituto de Educação Física encarregados de cumprir uma missão especial de minar os principais edifícios no centro da cidade, inclusive o Teatro Bolshoi. Poucos dias antes, quase todo o elenco e os adereços mais valiosos haviam se retirado, por decisão do governo, para a cidade de Kuibichev (atual Samara).

A Segunda Guerra na memória de um russo-brasileiro

Ígor Chnee, que dirige a Sociedade Filantrópica Paulista, conta o que presenciou durante o conflito mundial e como comemora o Dia da Vitória. Todos os anos Ígor Anatolievitch Chnee e sua família fazem um brinde com uma taça de champanhe no dia 9 de maio. Nesse dia, ele se lembra de momentos difíceis, de medo e fome, mas também de coragem e solidariedade, exemplos de vida que ele guarda consigo até hoje. Aos cinco anos de idade, Ígor brincava na fazenda de seu pai quando um avião polonês caiu em um campo próximo e pegou fogo. O menino correu para o local e viu o corpo do piloto carbonizado. Era o ano de 1939, e essa é a primeira lembrança que Ígor tem da Segunda Guerra Mundial. Mais de sete décadas depois, Ígor vive no Brasil, onde foi diretor da Câmara de Comércio Brasil-Rússia e atualmente preside a Sociedade Filantrópica Paulista, asilo para idosos de origem russa, e a Sociedade Eslavo-Brasileira. Juntamente com outros imigrantes russos, ele comemora o Dia da Vitória Soviética na Segunda Guerra Mundial anualmente em 9 de maio, quando a Embaixada da Rússia em Brasília e os consulados russos em todo o país organizam eventos para celebrar a derrota do exército nazista e o término do conflito. "O fim da Segunda Guerra representou muito para mim e minha família, porque era o fim da disputa, o fim da matança, o fim dos bombardeios, prisões e injustiças cometidas pelos nazistas contra os outros povos. Também foi o fim da fome: no último ano da guerra, comíamos uma vez ao dia, apenas batatas congeladas com mostarda, para disfarçar o gosto. Quando acabou a guerra, imediatamente apareceu a Cruz Vermelha e enfim houve a possibilidade de comer", recorda.

Passo a passo do desfile do Dia da Vitória

Confira os preparativos do Exército russo para o desfile militar dedicado à vitória soviética sobre o nazismo. Todos os anos, no dia 9 de maio, a Praça Vermelha reúne fileiras de equipamentos militares e centenas de integrantes das Forças Armadas vestidos com uniformes de gala, enquanto o céu de Moscou é preenchido por caças atravessando em baixas altitudes. As guarnições de infantaria desfilam ao ritmo da marcha militar e são seguidas por veículos de guerra variados. Para que o evento transcorra com perfeição, os preparativos começam no segundo semestre do ano anterior. A etapa inicial inclui a seleção dos melhores, em termos de desempenho escolar e militar, estudantes das instituições de ensino patrocinados pelas Forças Armadas e soldados do serviço militar obrigatório. Somente os grupos de porta-bandeiras devem necessariamente ser compostos por rapazes altos, fortes e parecidos entre si.

Galeria de fotos dedicada à Segunda Guerra Mundial

Proyecto MIA "Russia Today", dedicada al 70 aniversario de la Gran Victoria. Foto archivo, 1941-1945. de los mejores fotógrafos militares.

Os bisnetos da Vitória

Crianças falam da geração dos vencedores.

“Tudo para a frente, tudo para a vitória!”

Situada longe da linha de frente, a Sibéria não foi atingida diretamente pela guerra, mas sua população sentiu na pele as duras provações da guerra mais implacável e prolongada na história soviética. O trabalho dos trabalhadores siberianos sob o lema “Tudo para a frente, tudo para a vitória” teve um importantíssimo papel na vitória do Exército Vermelho sobre as tropas nazistas.

Face jovem da guerra: a história de cinco heróis soviéticos que morreram antes de completar 15 anos

A guerra é um acontecimento antinatural para qualquer um. Mas saber que adolescentes lutaram em uma guerra soa ainda mais absurdo. Na história da Rússia há vários exemplos de heroísmo e autossacrifício de pequenos guerreiros, que, em vez de uma adolescência feliz e divertida, tiveram o infortúnio de estarem envolvidos em um conflito cruel, perderam entes queridos e até a própria vida de modo trágico. Esse é o caso dos corajosos jovens a seguir, que deram a vida pela vitória na Segunda Guerra Mundial.

A outra face da guerra

Apesar de os homens geralmente liderarem as guerras, na cultura e na história de muitos povos a imagem dos conflitos tem uma aparência feminina. Na Rússia, ela se cristalizou na face triste da Pátria-mãe. Fato é que as mulheres russas tiveram grande participação nos principais conflitos mundiais e foram capazes de dominar grande exércitos.

“Estamos todos mortos aqui”

Reveja a história da Batalha de Stalingrado (atual Volgogrado) através dos olhos de pessoas que estavam ali presentes. As citações abaixo foram encontradas em diários e cartas de participantes de uma das mais sangrentas disputas da Segunda Guerra Mundial.

Sete motivos para a vitória soviética na batalha de Stalingrado

A batalha de Stalingrado, assim como o Cerco a Leningrado, permanece um dos eventos mais importantes da Segunda Guerra Mundial, cujo sucesso foi influenciado pelo heroísmo da população civil.

Os setenta anos da batalha de Stalingrado

No dia 19 de novembro de 1942, o Exército Vermelho iniciou a sua contraofensiva na Segunda Guerra Mundial na Batalha de Stalingrado, operação que resultou na derrota completa das tropas alemãs nazistas. A partir das ruínas da cidade, começou o longo caminho até à vitória da primavera de 1945.

Por que sempre lembramos da vitória na Segunda Guerra Mundial?

Em 2013, a Rússia comemora os 68 anos do fim da Grande Guerra Patriótica. O termo surgiu no apelo de Josef Stálin ao povo soviético lido pela rádio em 3 de julho de 1941. Usado fartamente na...